28 de nov de 2011

Filmes B & ESCATOLÓGICOS - relembrando

Pena que não assisti muito ao cine trash na Band, para lembrar de mais alguns filmes e mencioná-los aqui. Alguns dos piores filmes que consegui ver até o fim e lembro são: Drácula 3000 (Não Vejam!), Street Fighter e Soldado Universal – O Retorno. E quem se lembra da capa do filme A Ilha dos Homens-Peixe na locadora 2001 com umas roupas de monstro de borracha? Ou da capa de Ratboy (o verdadeiro cara-de-rato – xííí)? 



 
Vale a pena clicar no blog do Leandro aí ao lado e digitar Rato Humano na procura. Ele conta que foi o primeiro a locar o filme que estava há um ano na locadora, e colocou um link para uma crítica ao filme, que quase loquei em SVP. 
Os leitores devem ter suas listas particulares também, mas aposto que vocês dirão ao final deste post: E ainda chamam de trash os filmes do Zé do Caixão e Fome Animal.
Digo isso porque encontrei em casa uma revista SET de 1990 ou 1991, não sei ao certo, a revista não contém expediente. Nela há uma reportagem de Marcel Plasse sobre filmes B, que me fez conhecer o nome de algumas pérolas das quais nem fazia idéia, como Mom And Dad, descrito como “o único filme educativo sobre higiene sexual do mundo”, The She Demons, onde belas dançarinas transformadas por nazistas em monstros se vestiam com biquínis feitos de pele. Imaginem!
O Leandro me falou do filme Ed Wood, sobre a vida do diretor de Plano 9 do Espaço Sideral, que clama para si o título de pior filme de todos os tempos. Na revista diz que ele se vestia de mulher e dirigiu um filme sobre sua condição: Glen or Glenda.
Descobri que Roger Corman, que dirigiu o filme do Quarteto Fantástico de 1994 proibido pela Marvel de ser exibido por ser muito ruim, fazia filmes com restos de cenários e de película de outros filmes. Ele fez adaptações de Edgar Allan Poe, e com o sucesso, o dono da produtora resolveu creditar como adaptações de Poe obras inspiradas em Julio Verne e H.P. Lovecraft.
           No fim da década de 50 começou a moda de filmes na praia. Os diretores de filme de horror entraram no rolo e inventaram esses absurdos: Ghost In The Invisible Bikini e Dr. Goldfoot and the Bikini Machine, onde o Doutor pretendia dominar o mundo com robôs de biquíni.



E alguém acredita que existe um filme denominado Drácula no mundo da minissaia? E outro chamado Kiss Me Quick, sobre sexologistas aliens interessados na vida sexual do monstro Frankenstein!!
Na reportagem constava que com Blood Fest, de 1963, Hershell Gordon, vindo do cinema pornô, iniciou o gênero gore (sanguinolento), com garotas desmembradas violentamente. Dessa safra também vieram Noite dos Mortos Vivos e O Massacre da Serra Elétrica, inspirado no canibal necrófilo Ed Gein. Surgiram na década de 70 diretores com filmes que misturaram sexo com doenças, um deles lembro que tinha numa locadora, não sei se em SVP ou Rio Grande: Enraivecida – Na fúria do sexo.
Claro que foi citado o Ataque dos Tomates Assassinos e outros títulos absurdos de um diretor chamado Ray Dennis Steckler: The Incredibly Strange Creatures Who Stopped Living And Became Mixed-Up Zombies (algo como "As incrivelmente estranhas criaturas que pararam de viver e se tornaram zumbis mesclados") que virou musical com o nome de Teenage Psycho Meets Blood Mary (algo como "Psicopata adolescente encontra Mary Sangrenta") e outros intraduzíveis como Rat Pfink a Boo Boo e Lemon Groove Kids Meet the Monsters.



Pô, depois dessa vou tocar meu projeto com meu irmão Julian, entitulado "A volta dos dinossauros lobisomens mortos-vivos do noroeste do planeta X azuis e amarelos pegando fogo versus Leõezinhos com buzinas no rosto 2".
[Antes de continuar gostaria de falar que nunca gostei de piadas escatológicas, bem como cenas em filmes – de comédia ou não – relacionadas a peidos, cocô e apelações deste timbre. Sei que no desenho South Park um personagem é um cocô, eu tinha uma aluna com um caderno com ele na capa e nem sabia o que era, e eu contei, hehe. Não acho nada de poético também utilizar palavras relacionadas a isso em músicas, poemas e textos em geral. Acho que escritores da geração Beat faziam isso. Gui e Dani me corrijam se eu estiver errado. Os extremamente fracos de estômago não devem ler o restante deste post, mas tenho certeza que não é o caso de vocês.]
Mas nada chamou tanto minha atenção na reportagem como a menção ao filme Pink Flamingos, de John Waters, que “em sua opção pelo grotesco, o mau-gosto e o doentio”, como diz na revista, fez um filme onde um travesti gordo chamado Divine, na cena final da película, sem cortes, come o dejeto recém defecado de um cachorro e lambe os beiços. Simplesmente pavoroso!
No Orkut há comunidades de adoradores deste filme, e numa delas li que a história do filme é sobre Divine e sua família de degenerados lutando pelo título de pessoas mais imundas do planeta. Mencionam uma cena de sexo oral entre uma mãe e um filho e outra com um close num ânus sei lá de quem. Jack Ass é fichinha, dizem!
Pra quem tiver coragem, é só procurar Pink Flamingos no Youtube. Eu vi a cena do cachorro e é real (e revoltante).


       Este texto havia sido postado em 2008 no antigo blog. Seguem os comentários:

[Leandro] [aldreon@bol.com.br] O Soldado Universal - O Retorno é mesmo ridículo, assim como o Street Fighter. Comprei o FOME ANIMAL na banca por 11,90 ano passado, e considero ele um clássico, não um filme B. Depois vou comentar sobre ele com mais detalhes no meu blog. Tens que ver o ED WOOD, pois ele conta com perfeição a carreira do diretor, que se achava o máximo, se comparava a Orson Welles, e nem percebia as tosqueiras que fazia. Na verdade, ele achou que "Plano 9"(filme que é considerado o pior da história) ficou bom. Dos outros filmes que citaste eu gosto muito do "A Noite dos Mortos-Vivos". Outro filme bem tosco é o da Liga da Justiça, que deve ser o equivalente da DC ao Quarteto do Roger Corman. Não conhecia este filme Pink Flamingos. Quase todas as comédias sem imaginação da atualidade apelam para a escatologia, até mesmo American Pie 3(uma produção grande), em que o Stifler é forçado a comer o "dejeto recém defecado de um cachorro".


{Rapsódias} Esqueci de mencionar o Liga da Justiça da América, que passou no SBT e Geração X, que mostra os jovens X-Men sendo treinados. São muito ruins! 

[Pandolfo] Com certeza!!! também compartilho a idéia de que FOME ANIMAL é um clássico, vi duas vezes, sendo que uma delas passou pela parte da tarde na BAND e vi junto com o Daniel e o Diogo. Nunca vi tanto sangue num filme e espero comentários detalhados sobre o "Macaco Ratus da ilha de Sumatra" hehehe.

[Rapsódias] E aquele Distorcido no Inferno que vocês viram com o duende Rumpletintskin?

[Pandolfo.] Vimos no porre, sem ter o que fazer! foi massa e pior eram aquelas frases clichês quando o anão grotesco dirigia uma carreta na estrada e falava mais ou menos assim: "uma estrada", "uma carreta", "um belo dia para se matar pessoas", era simplesmente ridículo e rimos do começo ao fim.


[thiago] [thiagomerg@gmail.com] Destes, vi poucos, mas devo deixar minha contribuição: NÃO VEJAM "BLAIR'S BITCH"!!! que nem baseado na bruxa de Blair ele é. Forçando muito, consegui assistir 10 min daquela bosta.

[Rato] [www.blogdorato.blogueiros.net] Vi poucos filmes do Cinetrash na Band , mas lembro dos Tomates Assassinos ( efeitos especiais fenomenais). Um classico que é trash mas é muito bom e talvez vocês conheçam, é " A bolha assassina ( the blob) " filmado nos anos 50 que eu vi a primeira vez em uma matiné num domingo a tarde com o Justino no Cine Theatro Independencia em SVP hehe, tem a versão nova, mas ainda não vi e deve ser péssima. Quanto ao distorcido no inferno o filme é muito tosco, mas no trago qualquer duende deformado falando besteira e matando as pessoas é massa.

[daniel] [www.mondorock.zip.net] Lá vou eu nas minhas enumerações: 1) a geração beat não é exatamente escatológica; apenas não se priva de usar palavras como "cagar" quando necessário. Mais escatológico é o Bukowski, que mesmo assim tem um estilo pra fazer isso. Ele próprio é escatológico! 2) Vi o trecho de Pink Flamingos, mas não fiquei tão enojado assim, pois achei que a cena ficou meio disfarçada. Não consegui me convencer de que não foi editada. Mesmo assim, quero muito ver esse filme, pois tem todo jeito de ser ridículo! E eu adoro filmes ridículos. 3) Pode até ser ruim a sugestão do Thiago, mas o nome é sugestivo. Blair's Bitch: será filme pornô? 4) Muitos filmes toscos são obras-primas, embora os críticos e o público em geral torçam o nariz para eles. Os de George Romero, autor da seqüencia dos Mortos Vivos, são excelentes! 5) Ainda não vi Ratboy, que vergonha... 6) Fome Animal por 12 pila? ONDE? ONDE? 7) Saudades do Cine Trash...

[Leandro] Comprei o Fome Animal numa banca de revistas aqui em Rio Grande. É difícil de achar, mas de vez em quando aparece alguma coisa boa na prateleira. Também na banca comprei "A Bruxa de Blair", junto com uma revistinha chamada "Dark Side", que fala de outros dois filmes "trash": O Circo dos Vampiros e Freaks, que segundo a matéria tinha no elenco aberrações humanas verdadeiras para contar a história de um circo repleto de deformidades.

[Rapsódias] Leandro procura no blog do Dani (Mondo Rosck) o post sobre um festival de filmes onde passou Freaks e o Daniel comentou.


[Rapsódias] Retificando: Mondo Rock! E Dani eu me convenci da cena porque o travesti tenta fazer cara de que está gostando e sorrir pra câmera mas nota-se que come com nojo, além disso, não subestimo a cpacidade ao grotesco do ser humano e a tosquice dos diretores!Mas respeito tua opinião e tua dúvida (totalmente errôneas, hehe)

Nenhum comentário: