21 de ago de 2013

Top 20 Guns N’ Roses

    Sem dúvida, o Guns foi uma das maiores bandas de hard rock dos anos 90. Muitos odiavam, mas a maioria era fã de Axl Rose, Slash e Duff McKagan, o trio que formava a base. Às vezes olhar pro vocalista causava náuseas (por conta das calças coladas), mas o som que os caras faziam tinham uma força tremenda. Eu era fanático por eles (antes de começar a conhecer outras grupos não tão na mídia) e tinha uma pasta com as letras traduzidas, fotos e curiosidades. Eu e meu amigo Felipe Borba competíamos amigavelmente pra ver quem tinha mais material. Confesso que sou da geração MTV, e graças a meus amigos que fui conhecendo o que havia de melhor no mundo do rock, como Kiss, Iron Maiden, Ozzy, Ramones e por aí vai...
Bom, fiz uma lista dos melhores hits a meu ver, e também as melhores que não são tão conhecidas:

Hits:

·      Welcome To The Jungle*
·      Paradise City*
·      Sweet Child O’mine*
·      Used To Love Her
·      Patience*
·      Don’t Cry*
·      November Rain*
·      Civil War
·      You Could Be Mine*
·      Knockin’ On Heavens Door


Lado B:

·      Think About You
·      Rocket Queen
·      Move To The City
·      One In A Million
·      Dust N’ Bones
·      Back Off Bitch
·      Don’t Damn Me
·      Get In The Ring
·      Breakdown
·      Estranged*

 Principalmente na segunda parte, muitas músicas de que gosto ficaram de fora, fazer listas é fo-go! As marcadas com asterisco têm videoclipe. Quanto à música Don't Cry, prefiro a versão do disco Use Your Illusion II, cuja letra é diferente da original.


   Deixei de fora o álbum de covers (The Spaghetti Incident?!), quem alterna coisas boas e ruins. Depois vieram uma coletânea, um ao vivo duplo e quase 10 anos depois de apresentarem as músicas no Rock in Rio de 2001, lançaram o Chinese Democracy - que confesso, fora aquela apresentação -  nunca ouvi (e dizem que não se perde nada!).


11 de ago de 2013

A Mosca

     Comprei há alguns anos os DVD's dos filmes A Mosca e A Mosca 2, sendo o primeiro de 1986 e o segundo de 1989. Baseado no filme A Mosca da Cabeça Branca, com Vicent Price e que por sinal, é muito tosco em termos de produção pelo que deu pra ver nos trailers (também pudera, é antigo pra caramba - 1958), e teve 2 sequências, cujos nomes originais são O Retorno da Mosca e O Monstro de Mil Olhos. Esta adaptação fez sucesso pelas cenas nojentas e a transformação marcante e degradante do personagem Seth Brundle, interpretado por Jeff Goldblum, que fez também a série Parque dos Dinossauros, mas sempre que o vejo, lembro da mosca, isso deve acontecer com muita gente.



 
     Este filme me marcou muito, porque eu tinha 7 anos quando vi e acho que fiquei traumatizado por duas razões: 1- até hoje tenho sonhos nos quais meus dentes ficam frouxos e caem da minha boca, como acontece com Seth no filme, e 2- no dia do meu aniversário de 8 anos, no Hermenegildo, eu estava brincando de imitar o filme assustando o Rafael, irmão do Tiago Acosta (cabeça), meu primo, ele era menor do que eu e estava bravo e me seguia e eu corria, quando minha tia  Luiza e o namorado, que estavam tomando chimarrão na porta da minha casa, me seguraram para o Rafa me pegar, e resolvem passar a garrafa térmica por cima de mim e a dita cuja cai nas minhas costas, e eu saí saltitando com água fervendo nas costas e no pé. Passei meu aniversário na cama cheio de bolhas e queimaduras enquanto todos brincavam!

        Voltando ao filme, o solitário Brundle inventa uma máquina de teletransporte, mas quando briga com a namorada Verônica (Geena Davis) toma um porre e resolve testar consigo mesmo, mas não contava com uma mosca que entrou na câmara com ele, e o computador, não sabendo o que fazer, funde os dois em nível molecular. A princípio ele pensa que a máquina purificou seu sistema, graças aos sentidos aguçados e agilidade, mas aos poucos começa a se transformar por dentro numa mosca gigante meio humana. Caem unhas, dentes e ele não consegue engolir comida sólida, então começa a vomitar uma gosma corrosiva para desmanchar os alimentos (e depois a mão e o pé do ex-namorado de seu amor) em cenas simplesmente asquerosas, como a do parto, onde nasce uma larva gigante. E chega dar náuseas quando entendemos o plano de Brundle no final, quando queria fundir a si mesmo, a esposa e o bebê em seu ventre, todos num só corpo, pois era a única maneira de purificar seu DNA novamente. Veja os estágios da transformação:







            Ainda não assisti todos os extras do DVD duplo, mas tem uma cena em que nasce um pequeno braço de mosca no corpo de Brundle, que simplesmente arranca e devora o membro. Os produtores disseram que numa exibição dessa versão, uma senhora começou a vomitar no cinema, e resolveram retirar.

            Os dois filmes têm drama, romance, terror e ficção, gêneros que me agradam muito, ainda mais quando misturados. Eu poderia escrever muita coisa mais sobre esse primeiro filme, descrever cenas ótimas, mas vamos à sequência. 



   A Mosca 2 conta a história do filho de Seth, Martin, que com cinco anos tem o tamanho de um adulto e a inteligência de gênio. Ele foi criado dentro de uma empresa científica e  aos poucos vai descobrindo sua origem, quando começa a se transformar também num monstro.     
    Tem cenas marcantes e violentas também, mas o filme não chega a ser apelativo e não tem a pretensão de ser melhor que o primeiro, e nisso acerta. O monstro principal é meio tosco, mas eu sinceramente prefiro muitas vezes os velhos animatronics do que efeitos digitais.       
    Desta vez temos um final feliz e aparentemente um fim para a maldição. O ator é Eric Stoltz, que interpretou o pai pedófilo da garotinha do filme Efeito Borboleta.
    Agora sinceramente, a criatura que aparece no final (na verdade o cientista que manipulou Martin) é simplesmente a coisa mais nojenta que eu já vi no cinema! Repugnante!!!  Ela se arrasta para poder se alimentar e a câmera dá um close no prato, onde está pousada uma mosca. Genial! Pena que não achei uma imagem mais clara: 



3 de ago de 2013

ZYB Bom - Quem Lembra?

Pronunciava-se Z Y Bem Bom. Eu assistia e gostava, e tinha até a fita K7.
Foi ao ar pela Bandeirantes -1987 a 1989.




  

No orkut há alguns anos dizia assim na única comunidade: "Se você já estava achando que esse programa era fruto de sua imaginação pois só você lembra..." 

O interessante é que na comunidade o produtor do programa conversava com a gente!

Descobri que um dos garotos que apresentava, e tinha 11 anos na época é o ator Rodrigo Faro! Fora ele seguiram carreira na TV a Samantha Dalsoglio e o menor deles é o tal Rafael Vanucci, garoto propaganda da guaraná Dolly, olha isso:

Como estava e como ficou:

   

     O programa ZYB Bom era, segundo dizem, mais educativo que qualquer outro na época. Eles tentavam fazer um clima futurista com as roupas e as ambientações do cenário.
Na comunidade do orkut o produtor Daltoni Nóbrega, que participou da escolha do elenco (com alguns filhos de atores, claro) e compôs algumas músicas disse que é impossível lançarem qualquer coisa em DVD por exemplo, pois as fitas em que eram gravados os programas eram de um tipo muito antigo e não existem mais os aparelhos que as reproduziam, disse que era tudo muito artesanal. Não existe nada no Youtube também, fora um especial em preto e branco (pois foi convertido de uma gravação num aparelho japonês - tudo via contatos do orkut, hehe. O site infantv disponibiliza um trecho da música de abertura.
Chegaram a lançar um segundo LP, mas chegou as lojas na época do cancelamento do programa, então não teve divulgação.


    A música que guardo na memória tinha um clipe assim: Na escola o aluno(Faro) é apaixonado pela professora, e as crianças começam a cantar e andar na volta das cadeiras, cantando os artigos, depois o alfabeto e depois os numerais,até que tudo era cantado ao mesmo tempo, num arranjo muito harmonioso, daquelas que ficam na cabeça o dia todo, o que não sei dizer se é bom ou ruim. Deve ser bom, pois depois de todos esses anos eu lembro com clareza a melodia. Ótima pra se trabalhar na escola.

Conseguir a letra de uma das músicas foi uma tarefa quase impossível. Devo a um cara no orkut que me enviou. Depois consegui baixar as músicas, muito boas e do mesmo produtor, Daltoni Nóbrega.


Entre as atrações,passava o clássico desenho dos HERCULÓIDES!
 

Fiquei triste quando acabou, pois depois veio o Circo da Alegria, com Atchim e Espirro!


Foi numa época pré-seriados japoneses na finada TV Manchete.
 


Por falar neles, o primeiro que vi foi na Band, mas no Clube da Criança com  a apresentadora Mariane,essa aqui:

 

Até hoje dos heróis japoneses, os que mais guardo na memória são esses:
 
Os Goggle V.

O amarelo tinha uma arma ridícula chamada Yellow Megaton Ball, uma bola amarela gigante cheia de pontas, como um gládio.O preto tiha uns bastões, a rosa um lacinho, o azul um bambolê (que chinelage!) e o vermelho um chicote (SM)!

Eu cantarolava a letra em japonês, mais ou menos assim: "Ratianare, Ratianare, Reingarô Riratatio..."


E no próximo episódio, o CLUBE DO BOLINHA, com a dançarina Zulu,que não ria nunca!
"Bolinha, Bolinha, está na hora de você entrar na linha..."











É, tô ficando velho mesmo...